Mãe de Deus e Jesus Cristo Pastoralis - 2 anos com você! Sua Santidade o Papa Bento XVI Vaticano - Santa Sé Concílio Vaticano II
Nome:   Senha:      Fazer cadastro

Bookmarks

Indicar isto em:

Últimos Artigos

Catarina de Sena
Publicado por Millapg em 28/4/2009 (4939 leituras)
Catarina de Sena
Gustavo Corção
(Permanência apud Veritatis Splendor)


No dia 29 de abril a Igreja comemora a festa de Santa Catarina, que viveu numa das épocas mais perturbadoras da história do Ocidente tanto para o mundo, que nos fins do século XIV se despedia da civilização medieval e preparava os critérios de uma nova civilização, como para a Igreja, que sofria a divisão, o cisma, a crise do papado, e já começava a sentir as aflições que cem anos mais tarde produziriam a Reforma.


Tudo foi paradoxo e contraste na vida de Catarina. Alma contemplativa, nasceu numa turbulenta família italiana e teve de se envolver nos mais intrincados problemas da política de seu tempo. Humilde filha de um tintureiro de Sena, tornou-se pela força das circunstâncias conselheira dos Papas, diretora espiritual de seu diretor, e mãe de sua mãe. Analfabeta, deixou no seu Epistolário e no Diálogo, obras ditadas aos fiéis secretários que se revezavam na árdua tarefa de acompanhar os passos e os ensinamentos da santa, uma doutrina que até hoje serve de guia espiritual para muitas almas que procuram o caminho do Reino de Deus. Realmente, tudo foi contraste na vida da moça impetuosa que é a Joana d?Arc da Itália e que nada fica a dever à heroína francesa.



Lembrei-me de escrever estas linhas de homenagem à dolce mamma Catarina, porque ultimamente tenho pensado muito na moleza e na tolerância dos tempos modernos, que nos mais altos lugares são apregoados como virtudes máximas. Apeguemo-nos à adamantina dureza da santidade. Santa Catarina de Sena jamais abriria a boca, jamais emprestaria o seu sorriso de virgem ardorosa e pura para pronunciar melosas declarações de incondicional tolerância e falsa bondade. Catarina de Sena tinha ódios. Santa Catarina de Sena não saberia, jamais, fazer um programa de promoção do Reino de Deus naquele tom de amaciamento da vontade e de derrame sentimental. O que nos ensinam os santos, com palavras e obras, é que não basta o sentimento enternecido, nem basta traçar na areia a tênue linha que separa o bem e o mal. O que nos ensinam os santos é que é preciso, resolutamente, entre os céus e os infernos, erguer muralhas de ódio, e cavar abismos de amor. E o que nos ensina com particular insistência essa moça de vinte e poucos anos, Catarina, filha do tintureiro Benincasa, de Sena, é que devemos andar como os paladinos do Santo Sepulcro, entre duas cruzes, no peito e nas costas: a cruz do santo ódio e a cruz do santo amor. E é por isso que a Igreja, no dia de sua festa, dizia no Intróito da missa: Dilexisti justitiam et odisti iniquitatem, fórmula que bem exprime o claro-escuro, ou melhor, o preto-e-branco da vontade bem polarizada pelos mandamentos de Deus.



Santa Catarina de Sena poderia ser chamada a pregadora da santa nitidez. E não só a da vontade, a do preto-e-branco do ódio e do amor, mas também a da inteligência. Toda a doutrina ensinada por Catarina de Sena gira em torno de dois eixos principais que têm particular importância em nossos dias. O primeiro, relativo à ordem do conhecimento, consiste no preceito: ?conhece-te a ti mesmo, em Deus?, que Etienne Gilson chamou de socratismo cristão, e que marca toda a espiritualidade da Idade Média, desde Agostinho até Catarina. O segundo consiste no preceito de combater e esmagar a vontade própria, fonte e origem de todos os pecados.



De início convém notar que o ?conhece-te a ti mesmo? de Catarina de Sena não tem o sentido de introspecção psicológica, nem o mais alto de exame de consciência. Ambos são bons e úteis, cada um em sua ordem, mas o conhecimento básico que Catarina tem como preceito é de ordem ainda mais elevada. É preciso que a alma se conheça em Deus, que se reconheça como criatura, como ser sustentado pela Causa Primeira, mantido na existência pela vontade criadora de Deus. É preciso que a alma se ponha diante do Senhor e que, nesse refulgente espelho, descubra o seu Nada, o Não-Ser que só é ser por favor, por misericórdia, por bondade de Deus.



Será útil, a cada um de nós, o conhecimento de sua fisionomia psíquica e de sua situação moral, mas nada é menos socrático e menos freudiano do que o conselho de Catarina de Sena. Tanto o antigo como o moderno, cada um em sua pauta cultural, anunciavam a recuperação do homem por uma tomada de consciência e por uma recuperação de si mesmo por seu próprio esforço. Há um racionalismo antropocêntrico em Sócrates e em Freud, que é o oposto do ensinamento catarineano. O ?conhece-te a ti mesmo? de Catarina é um conhecimento teologal, um conhecimento em confronto com Deus, um conhecimento que coloca a recuperação do homem num ato primeiro de renúncia, de apagamento e de humildade.



Não se trata de apreciar as peculiaridades de meu ser singular concreto, não se trata de começar por esse tipo de experiência que está na base de todos os existencialismos modernos, e sim de uma experiência fundamental, primeira, em que a alma se reconhece existente por um ato da vontade criadora de Deus, e daí, dessa primeira confrontação tira a fundamental atitude para a vida de relação com o mundo e com seu Criador. Não se diga, porém, que o ?conhece-te a ti mesmo? catarineano é uma fórmula puramente essencial, puramente relativa à natureza universal do homem criado à imagem e semelhança de Deus. Não se trata de pensar somente em termo universais, assim como quem diz: o homem é uma criatura de Deus. Não. Trata-se de uma experiência mística, com toda a força existencial, com todas as dimensões do presente concreto e prático.



Quem se conhece, conheça-se a si mesmo, João ou Maria, conheça-se como alma existente diante de Deus. E descubra que é Nada se pretende por si mesma a ser alguma coisa; e reconheça que deve tudo, não somente os adjetivos que a adornam como também o substantivo nuclear de seu ser. A fórmula catarineana não exclui outros conhecimentos mesmos e posteriores, mas exclui categoricamente a primazia de qualquer outro conhecimento reflexo que não seja feito em confronto com o Ser divino.



Mais de uma vez Catarina adverte os seus discípulos contra as introspecções puramente humanas que só geram pecado e confusão. Para descermos aos nossos porões, para nos apalparmos e nos descobrirmos, é preciso antes de qualquer passo inseguro, acendermos a vela da Fé, o lumen Christi que vem da mesma fonte de onde emanou o nosso ser.



Repouse, leitor, o espírito perturbador pelas agitações do dia e pondere bem o que devemos a Deus. Aos homens devemos muita coisa que nos qualifica e nos valoriza. Aos nossos próprios pais devemos um dos mais importantes elos, mas ainda um elo da cadeia que se prolonga e que deve estar presa em algum Ser imóvel e não causado. A outros homens devemos coisas menores e mais superficiais: um favor, um ensinamento, um conselho, uma ajuda. A Deus devemos o existir que é coisa mais ampla e fundamental do que o viver. E é essa meditação que Catarina coloca na base de sua doutrina. ?Conhece-te a ti mesmo, em Deus? é um primeiro ato de humildade, um primeiro e fundamental juízo de valor.



O mundo, depois de Catarina de Sena, seguiu caminhos diferentes. Não foi ?na doce cela do conhecimento de si mesmo e da bondade de Deus? que o mundo ocidental construiu a nova civilização do individualismo orgulhoso. Estamos hoje em outro ponto da história em que, depois de tantas e tão cruéis experiências, talvez se encontrem ouvidos para a doutrina que coloca o homem no seu justo lugar: elevado, se ergue as mãos para Aquele que o pode enaltecer; rebaixado, se por si mesmo pretende subir. Há muitos problemas materiais e espirituais no mundo de hoje. Há milhares de problemas técnicos, desde o aproveitamento da energia nuclear até o aumento da produtividade agrícola. Há problemas políticos e culturais; há anseios de novas formas no domínio das artes, e anseios de novas experiências em todos os domínios da vida. Uma coisa, entretanto, permanece invariável. E enquanto não soubermos reconhecer a verdadeira colocação de nosso ser, enquanto não soubermos o que somos e o que não somos, vãs serão todas as pesquisas do universo e, de todos os esforços de todos os estudos, só tiraremos pecado e confusão.

Você pode enviar artigos para nós a partir da opção respectiva no menu principal.
Eles devem estar assinados e com a fonte especificada, serão avaliados e podem ser publicados, sofrendo edição se necessário à adequação de nossas políticas internas.

Em todo caso, a responsabilidade pelas informações prestadas é dos respectivos autores dos textos.

Se você gostou deste artigo, partilhe suas opiniões usando os diversos mecanismos disponíveis: comentando, indicando-o através dos "bookmarks", compartilhando-os no Orkut©, Facebook© etc. Você também pode receber, em seu e-mail atualizações sobre novos artigos ou notícias, cadastrando-se em nossas newsletters, ou ainda utilizar nossos feeds (RSS).
Share
  Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo

Outros artigos nesta categoria Publicado em Cliques
Beatificações: João Paulo II, Santo Subito! Irmã Dulce! Filhos da Misericórdia do Alto
07/6/2011
1750
Conhece-te a Ti Mesmo
24/5/2011
2590
Já Decidiste?
29/4/2011
1791
Onde Está a Felicidade?
15/2/2011
1923
O amor humano não tolera experiência
08/2/2011
2099
Respondendo como Criança
28/12/2010
1029
Juventude em busca da Felicidade Verdadeira
02/12/2010
2655
Realizando Planos
19/11/2010
900
O Canto em São Francisco de Assis
05/10/2010
4246
Eu Sou Mais Eu
28/7/2010
2038
A Promessa de um Fim de Semana
23/7/2010
1471
Retorno: Mantenha-se à Direita
01/4/2010
1260
O Amor pelo Silêncio
18/2/2010
4740
Mês de Fevereiro com Santa Faustina
01/2/2010
5041
Mês de Janeiro com Santa Faustina
31/12/2009
3938
O Silêncio do Advento
13/12/2009
1946
Mês de Dezembro com Santa Faustina
01/12/2009
3958
O Telefone de Deus
19/11/2009
5286
Mês de Novembro com Santa Faustina
31/10/2009
4790
Mês de Outubro com Santa Faustina
01/10/2009
4509
Características do amor ao próximo
25/9/2009
3888
Mês de Setembro com Santa Faustina
01/9/2009
3407
Mês de Agosto com Santa Faustina
01/8/2009
2608
Mês de Julho com Santa Faustina
01/7/2009
2591
O Apostolado da Oração
20/6/2009
21877
Mês de Junho com Santa Faustina
31/5/2009
2049
Mês de Maio com Santa Faustina
30/4/2009
4264
Catarina de Sena
28/4/2009
4940
O Mistério Pascal e a Conversão Pessoal
10/4/2009
3369
"Sempre sonho coisas grandes para as almas que amo"
02/4/2009
2712
Mês de Abril com Santa Faustina
02/4/2009
3736
Depois de cinco anos terminei o Pai Nosso
26/3/2009
2826
A Virtude da Fortaleza em São Paulo
11/3/2009
3676
Vivendo a Quaresma - 2ª Parte
03/3/2009
3657
Mês de Março com Santa Faustina
01/3/2009
4473
Vivendo a Quaresma - 1ª Parte
23/2/2009
6625
Ser Filho
16/2/2009
1456
A Eucaristia e a Igreja
22/1/2009
7231
Sede Meus Imitadores como Eu Sou em Cristo
15/1/2009
6441
Deixar tudo para ganhar Tudo.
23/12/2008
4037
Preparando a Casa para o Menino
11/12/2008
2270
Aprendendo a amar
10/11/2008
3004
Amor com A maiúscula
24/10/2008
3861
Pequena Reflexão sobre a Alegria Cristã
07/9/2008
8297
O trabalho de sorrir
30/5/2008
4384
Nunca entregue os pontos
26/5/2008
3828
O amor justifica tudo: justifica?
24/5/2008
4257
Maio, o mês de Maria
24/5/2008
13728
O Despertador
23/5/2008
1484
A Força de Vontade
21/5/2008
5183
As quatro dimensões da Fidelidade
19/5/2008
4551
O Dever da Diversão
16/5/2008
3415
O mês de Nossa Senhora
02/5/2008
9182
A importância da oração na vida pública
30/4/2008
6632
O amor de Deus Acima do Nosso
26/4/2008
4586
Vocação para a Felicidade
24/4/2008
4723
O dia em que o amor for batizado
22/4/2008
2671
A filosofia de Santo Agostinho
17/4/2008
18195
Opondo-se ao mundo self-service: a vocação de numerária auxiliar
16/4/2008
2071
Coração de Toqueiro
14/4/2008
5468

Rede Católica